home
HOME





De Venere et Cupidine expellendis Carmen
Ioannis Francisci Pici Mirandollae
(Tradução e notas de Luiz Marques)

llustrissimi Ac Doctissime Principis Ioannis Francisci Pici Mirandulae Domini Concordiae Comes

Idalios ignes caecique Cupidinis arma
Atque Dionaeos procul ablegare furores
Fert animus. Da, casta parens, Iessaea propago,
Da, virgo, aeternum virgo, quae sola furentum
Nequitiam sacro praestas compescere partu,                                             5
Da, praecor, et Veneres et quos malesana uetustas
Aligeros finxit dementia numina fratres
Exturbare, nouo longe et dispellere cantu.
Fertur in antiquis Peniaeque Porique hymanaeis
Natus Amor, nata uix de genitrice, frequenti                                              10
Dum mensa ebria inter se celebrant conuiuia Diui
Stellato in folio, uiridique Diespitris horto,
Dum mens ebria Caelitibus, dum nectare dulcis
Et dulci Ambrosia saturis pulcherrima rerum
Quas gigni sit, fas iam tum obuersatur imago.                                           15
Altera de pelago, pharetrati mater Amoris
Nascitur et Paphias olim sibi uendicat arces,
Aegyptumque altasque Erycino in uertice sedes.
Verum alias etiam Veneres ambage retenti
Falsorum diuum prisci cecinere poetae,                                                     20
Quis uarios et ludo submittere amores
Coepere et uariis implere poemata monstris.
Hinc Cypro exiliunt puerorum multa uolantum
Agmina, quae rutilis facibus, quae corpore nudo
Quaeque arcu et uaria tergus pulsante pharetra                                        25
Circumeant terras, maria, aera, aethera, Caelum.
Vt quemquam tetigere furit sic perdita cursu
Phoebeo (ut perhibent) quomdam Peneia Daphne.
Sic Phoeben stimulant petere Endymionis amati
Congressum et celeres firmare sub aethere bigas.                                    30
Ausa quoque et uolucri sulcantem caerula curru
Neptunum uastis (mirum) inflammare sub undis,
Atque Iouuem sceptro insignem et diademate saeuum
Et trifido armatum uictrice fulmine dextram
Non uerita impetere et pectus temerare ueneno,                                       35
Quo Tauri in facie et Cycni uertat et Auri.
Scilicet in furias ignemque incurrere diuos
Finxerunt quoniam pecudum uolucrumque natantumque
Omne genus ruere in Venerem inspexere, hominesque
Propeterea et bella et caedes inferre cruentas.                                          40
Atque Cupidineis labefactos corda uenenis
Et nemora et faltus lustrare atque aequora saeua
Illuni sub nocte cito sulcare natatu.
Quando etiam infernas magno inflammatus amore
Coniugis ereptae est ausus tentare latebras                                              45
Threicius uates. Neptunique alta propago,
Pirithoum Stygias fidum ut sequeretur ad umbras
Lucida Taenarei subiit penetralia Ditis.
Sed quid ego ambages uana aut commenta secutus?
Ad summam species Venus est, mox inde Cupido                                    50
Exoritur: quoniam spem cupit ipse potiri,
Atque frui sperat spes est qua viuit amator.
Causa bonoque, bonique umbrae reddenda; quod in se
Splendeat inque animo facili vestigia firmans
Haereat actutum et stimuletur avara voluntas                                            55
Et caeca illa quidem claro sed lumine mentis
Ducta, boni extremam conatur tangere metam.
Si primum fontemque boni summumque tonantem
Ardes ingenti conatu ingentibus alis
(Quas tibi nec caera nec filo Daedalus olim                                               60
Aptarit firmo sed glutine mater amoris
Alma fides casti) flammatos feruidus axes
Egredere et pietas tibi nomina fecerit ardens
Atque amor atque charis plausu celebrata frequenti.
Si rerum species iam contemplator ab alta                                                65
Naturae specula mireris, tactus ab oestro
Caelesti veneris diceris captus amore
Aetheriae et superam pennis sublatus in oram,
Ut fluxas rerum formas, rerumque figuras
Degeneres illinc despectes lumine puro.                                                   70
Si te solicitant fasces, et purpura regum,
Ambitio est auri stimulat si caeca cupido
Surgit auarities facie si captus amata
Spicula persentis succendere in ossibus ignem,
Sensilis haec  veneris flamma est, puerique uolantis                                75
Vulnus ab aurata missum per inane sagitta.
Namque ubi membrorum vultus discordia concors
Fulserit et grata fuerit compage revincta
Ipsa oculos afflat subito celerique meatu
Labitur affecti tacita ad penetralia cordis:                                                  80
Idque trahit ueluti chalybem Magnesia cautes:
Et tractum incendit generatque in pectore flammam
Illecebris fotam placidis gratoque decore.
Temporis at paruo spatio decor ille recedit,
Disperit et flamma in tenues euanida fumos.                                            85
At si foecundi cupias commertia lecti
Spurca venus prodit permixta dolore uoluptas
Dulcedo adsistit sed mox succedit amaror.
Praeceditque etiam nam ni fax illa retenti
Seminis urgeret non surgeret ipsa libido.                                                  90
Hincque doles, placida ut naturae munia tractes.
Sed parce ad sobolem necque non meta ipsa uoluptas.
Nam si plus nimio cupis oblectarier inde
Surgit amarities et mille incomoda uitae.
Scilicet hanc legem primaeua ab origine rerum                                        95
Affixit natura parens mortalibus inque
Perpetua incidit solido ex adamante columna.
Ut semper multos uenus immoderata dolores
Afferat innumeras labes morbosque necemque
Et curuae ante diem pretendat damna senectae.                                    100
Sed finge illecebras, lusus, noua gaudia, mille
Blandimenta tibi lasciuo adcrescere luxu.
Quid tibi? quid restat? Momento extinguit uno
Quidquid anhelanti conatu exhauseris horae
Dimidio et celeri refugit post terga volatu.                                                105
Tam cito per spatium duodeno tramite flexum
Herculis ad lucum celebris prope flumina Pisae
Nunquam abiit sonipes Elaeo in puluere uictor:
Quam cito dilapsa est veneris iucunda libido.
Nec repetita potest ulla retinerier arte:                                                     110
Praeterit, ut rapidus montano e uertice torrens.
Effugit et Scythico Borea et uiolentior Euro.
Ac ueluti Cribro si lympham inferre pararis
Quo magis infundas tanto magis effluet humor.
Sic et acquam fractis fundoque carentibus urnis                                     115
Cocyti ad fluuium lassata inuergere dextra
Progeniem Danai uates cecinere uetusti.
At qui nam extiterit pharetrati fructus amoris
Cum tela in uacuum defixit plurima pectus:
Cumque ossa in cinerem face multa omnesque medullas                      120
Verterit Argiuo periit cum pergamos igni
Testis et Inachias quae multa est flamma per urbes
Digressa et Lybicos etiam populata penateis.
Quid memorem infande iugulatum Agamemnona dextra
Coniugis? exilium  et perfugi Diomedis ad Arpos                                    125
Ne iam coniugium et pulchram Calydona uideret?
Quid referam extinctam Boeotia ad arua furentum et
Discerptam manibus nimio feruore puellam?
Quid puerum manibus laniatum Acteona narrem?
Heu nimiu laceris referentem Acteona membris.                                     130
Testis et Ioniis leuonia saltibus usa.
Testis Stesichoro uati cantata calyce.
Testis est ipsa suos igneis quae ferre recusans
Idaliam ambracio restinxit lampada fluctu.
Et qui seruilem doctus uersare tumultum                                                 135
Drymachus insano iugulum postponit amori.
Iphis in exemplo est, Phyllis Rhodopeia, Dido
Et pergens ad busta Nini, Babylonia Thysbe.
Quaeque olim ad scopulos multorum ex ossibus albos
Et cantu allecta et natiuo inducta furore                                                   140
Appulit aetherei plebes ignara theatri.
Et quae Circaeos Ithacensis turba furores
Haurit et humanas facies exuta ferarum
Induitur uultus, dominaeque ad iussa superbe
Immundis stabulatur haris. Sic improba Gorgon                                      145
In saxa, in marmor stupidos conuertit amantes.
Sic transformatos habitus consuere uetusti
Cultores sophiae, tenui mandare papyro.
Seu qui Palladias arces tenuere biformi
Cecrope regnatas seu qui tenuere Crotona                                             150
Quos una instituit Smyrnae telluris alumnus
Unde noua emersit mutandae fabula formae.
Hinc Theodori atque hinc Graii Callisthenis ora
Inque alios conuersa modos et in ora ferarum.
Inde et Peligni celebrata inuenta poetae.                                                 155
Commentum et Siculi vatis quem carmina piscem
Finxere et stirpem terrae radicibus actam
Et volucrem pinnis vaccum per inane vagantem:
Quamvis (quae cecinit) fuerit puer atque puela.
[Quam cito quod cecinit fuerit koúros tè koréte]                                       160
Hinc Syrii in brutum facies mutata sophistae:
In quod mox se se deceptus pyxide uertit
Lucius antiquae renouans figmenta Crotonis.
Illuc Thallides et Pantho cretus et alta.
Quique Samo quondam missus Hermotime [Hermodice] quique            165
Instabili Ortygia es genitus doctissime Pyrrhon
Migrasti et Phario soluens de littore Typhis
Ausonium ad portum te te olim vexerat ipsum
Quem fore prodiderat Phoebea uoce sacerdos
Pythias atque illinc nomen traxere parentes.                                           170
Tu (ni uesanis ambagibus omnia misces)
Quid tibi? vis ne aliud cum animum in diuersa inuoluis [revolvis]
Corpora? quid nam aliud? quam uim expressisse veneni
Idalii? quo tincta ferus sua tela Cupido
Excercens miseros in amatum uertit amantes.                                        175
Ergo agite o Iuuenes spurcum ablegate furorem
Quo brutum ex homine induitis quo Pergama quondam
Arserunt quo iactat amans incendia, flammas.
Sirenum a scopulis rapido discedite cursu [curru]
Vela date ac nunquam uobis terra illa petenda est                                  180
Circaeo praetensa sinu: nunquam antra [arva] Calypsus
Intranda et nunquam Phorcynidos arua Medusae.
Nunquam Ephyres portum (si mens non laeua) subite.
Effugite et cursu celeri Sybaritida terram.
Vnum etiam uobis Iuuenes praeque omnibus unum                                185
Praedicam, uestrae uobis si cura pudoris [salutis],
Si casti vos tangit honos, si cura pudoris,
Linquite fallacem Babylona, relinquite molles
Illius illecebres [illecebras] permistaque mella ueneno.
Huc etenim nimium nimiumque nocentia monstra                                   190
Migrauere truces Scyllaeque et Gorgones, atque
Harpyiae in mediis posuere sedilia templis.
Nec non quae Atlantem olim, et quae Titana parentem
Agnorunt, arteis nec dedidicere vetustas,
Semiferaeque etiam caprearum rupe recentis                                         195
Mutauere domos Babylonis, et aurea tecta.
Atque super sacra sidunt Acheloides aede
Huc quantum Caerae sicula depromitur hybla, [herba]
Huc huc Cecropius quicquid cogebat Hymettus.
Moly ueni, ueniat districtus et ensis Ulyssei                                             200
Constanti auertens magicos molimine cantus.
Vanaque sopiti ludens praestigia [insomnia] sensus,
Et potis Idaliam glacie interspergere flammam.
Si uobis natura suos iniecerit ignes,
Nec sit pertesum thalami, nodique iugalis,                                               205
Quaerite concessos diuina lege Hymenaeos.
Prima autem fiat de moribus, ultima fiat
Quaestio de forma, dotemque exquirite, qualem
Antiquo in Latio, ueteri uel in Hellade mille
Mille olim quaesita procis noua nupta parabat                                         210
Quis non Euadnes citius caperetur amore
Ut [Et] casto illius digito fuluum inderet aurum?
Quam natae Augusti, quamuis gratissima forma?
Protesilae tuam quis non uelit ante maritam
Quam Leda genitam; quamuis pulcherrima, quamuis                              215
Et ratibus mille et bello repetita decenni?
Aut quis non uilem mundi muliebris amictum,
Et tenuem Cophinum priscae de more Sabinae
Optarit potius casta cum coniuge secum
Ferre Domum? tua quam baccata monilia quamque,                              220
Inclyta Hydaspaeis aggesta cubilia gemmis
Antoni coniunx Aegyptique ultima Regum
Obscenos tecum si fers Cleopatra furores?
Caelibe si uultis uitam traducere lecto
Continuo castis restinguite fontibus ignes                                                225
Et venerem [veneres] gelido, venerem [veneres] submergite ponto,
Qua patet ad Boream semper glacialis Hiberne [Hyberne]:
Pervolitent mentem atque oculos, facibusque, malignis
Si instillare uelint tacitum in praecordia virus
[Instillare velint tacitum in praecordia virus]
Aligeri fratres puerorum turba uolantum,                                                  230
Vos subito ut leuibus difflauerit aera pennis
Turba nocens duro pennas praecidire ferro.
Ferrea mens nulli Veneris obnoxia culpae,
Ensis adest Iuuenes quo mollis in aera penna
Dissecta [Dessecta] est: quo neruus agens uolucresque sagittae           235
Diffractae rutilaeque faces Erycinaque lampas
Extincta, in liquidas resolutaque protinus auras.
Tum loca diuerso coelo quaerenda salubris
Aeris in spatiis alia in regione manendum est,
Ex animo ut citius facies uanescat [abolescat] amata.                             240
Nunquam luminibus committite [committere] lumina, quando
Lenis amor, quem quis dudum frigere putaret
Saepe arsit uultu conspecto, atque illice forma
Exciuit flammas quantasque sub Ilio alto
Non Tenedos uidit non incola Tyburis alti                                                245
Spectauit, sceuo est cum Roma incensa Nerone [Neroni].
Vertenda est facies, nec blando uerba susurro
Excipienda plagis quis non capiatur [caperetur] iniquis?
Quas menti semper uacuae, semperque petenti
Illecebram sensus fallax Amathusia tendit?                                             250
Nam fugitare decet lasciui retia amoris,
Atque alio mentem atque alio conuertere sensus.
Spectandum instabile hoc quodcumque hic digitur [degitur] aeui
Delitium [Delicium] et vanum et fluxum mistumque dolore.
Sucurrantque nulla homini sincaera voluptas.                                         255
[Sucurrat quam nulla homini sincera voluptas]
Anxia sollicita et gemebundi plena timoris
Quam siet ipsa Venus dira et cum matre Cupido,
Quam uanis semper simulacris ludat amantem,
Quoque magis sitiens bibat, hoc magis aestuet atque
Hoc [Tam] magis ardescant viuis praecordia flammis.                            260
Tormenti genus infelix: Acherontia turba
Quod nunquam inspexit [aspexit]. Quo nullam (sic) affligere quemquam
Fama est inferna durarum a sede sororum.
Ipse siti in mediis ardebat Tantalus undis,
At nunquam refugas labris compreendere lymphas                                265
Olli posse datum. Sed cum se gurgite mersat
Altius hic uasto et caua guttura pandit hiatu
Humorem absorbens auidas sitis aspera fauces:
Tum magis excruc[i]at. Neque non de fonte liquores
P[r]ompsit acidalios gelido Venus ipsa, sed hausit [sumpsit]                   270
Ab calida Phlegethontis aqua quae semper opacos
Conuoluit fumos igneis [ignes], incendia, flammas.
Nec uobis animo exciderit nec corde tenaci
Quam multis olim exitium mortalibus ingens
Attulerit regna et deleuerit inclyta caecus                                                275
Humana in mente exercens sua sceptra Cupido.
[Humana mente exercens sua sceptra Cupido].
Ante oculos etiam macies uersetur amicam
In faciem succo tum successura salubri
Cum senium rugas secum portarit aniles.
Quod certe et morbi miseraeque incommoda vitae                                 280
Ingeminant foeda ut confecta cadauera tabe
Nunc spectes, Albo quae iam rosa mista [mixta] ligustro
Punicea exornans miseros captabat amantes.
Hinc operae pretium est mortis meminisse tremendae
Terribili excindit quae vitae gaudia falce.                                                 285
Sic mors flagrantes compescet [conpescit] frigida curas
Tempore non certo et certo rapidissima cursu.
Hinc subeant animi aeternae sub tartara poenae
Quis Venus et Veneris male dulcia furta secuti
Plectuntur: subeant aeternae gaudia palmae                                          290
Innumeris ditata bonis. Exempla virorum
Accedant Venerem immundam qui uerberum [verbere] torto
Et silice et rigido domuerunt saepe cubili
Quique niuem insiliens Veneris superasse calores
Dicitur, occurat, retegens noua semina fraudis                                       295
Infernae. Nec non qui caeci spicula amoris
Quique illas quondam sub inani pectore curas
Consertas spinis, Erycinae munera saeuae
Deludens se se in spinas destrusit acutas.
Et qui fallacis tempsere Cupidinis arcus                                                  300
Obrepant menti: dum nudae corpora terrae
Collidunt, Avidique ferunt ieiunia uentris.
Vos etiam monitos Iuuenes iterumque iterumque
Optarim obscenum casto ut pellaris amorem
Pellitur ut clauo clauus, nec ad alta Platonis                                           305
Vos specta [spectra] aetheriae aut Veneris simulachra relego.
Quare age quicumque es tibi iam succurat amator
[Quare quicumque es tibi iam succurrat amator]
Humani generis soboles aeterna parentis
Aeterni: et Mariae soboles pulcherrima castae.
Hunc redama aspiciens [adspiciens] foedatos puluere crines                 310
Atque coronatam dumis pungentibus illam,
Fronte[m] illam, nutu totum quae illustrat Olympum.
Quaeque catenatum nutu tremefecerit Orcum.
Aspice [Adspice] purpureo madefactum sanguine corpus,
Disiectumque latus, distentaque brachia, clauis                                     315
Transfixasque manus, plantasque: sacrique cruoris
Aspice [Adspice] multiplices undanti flumine riuos.
Scilicet haec rerum onipotens, qui temperat orbem
Matris Acidaliae flammas, puerumque perosus
Pertulit, eriperet tete ut de faucibus Orci,                                                320
Ut secum aeternae sequereris praemia [gaudia] palmae,
Quae castus praebebit amor sine fine futurus
Foelix, aeternoque arsurus munere foelix.

 

 

 

Do Ilustríssimo e Doutíssimo Príncipe Giovanni Francesco Pico della Mirandola, Senhor e Conde de Concórdia[1]

Poema sobre o dever-se expulsar Vênus e Cupido

O ânimo leva-me a afastar para longe os fogos Idálios[2], as armas do cego Cupido e os furores dos filhos de Dione[3]. Dá, casta genitora, rebento de Jessé[4], dá Virgem, tu que és a única em deter para sempre a devassidão dos loucos por teu santo parto; dá, imploro, que eu expulse as Vênus e os irmãos que uma Antiguidade malsã figurou alados, por insânia, como deuses, e expulse-os para longe com novo canto.

É tradição que o Amor nasceu de um antigo himeneu de Penúria e Abundância, de uma mãe a custo nascida, enquanto os deuses celebravam entre si frequentados banquetes, no reino estrelado e nos verdes hortos de Júpiter (deus pai)[5]. Enquanto ébria é a mente dos Celestes e enquanto estão saturados de néctar doce e doce ambrosia, eis que surge a belíssima imagem das coisas que é lícito gerar. Outra mãe[6] do faretrado Amor nasce do mar e reivindica para si as cidadelas de Pafos, do Egito e as altas moradas do cume de Érice[7]. Na verdade, os primeiros poetas retidos pela obscuridade dos falsos deuses cantaram ainda outras Vênus, a que vincularam vários amores, à maneira de brincadeira e começaram a encher os poemas com várias quimeras.

De Chipre saltaram muitas hostes de crianças aladas que, com tochas rútilas, os corpos nus, e arcos e várias fáretras batendo às costas, circundam as terras, os mares e os ares, o éter e o Céu. Quem quer que tenham tocado enlouqueceu, assim como, pela perseguição de Febo (como dizem), a outrora arruinada Dafne de Peneu[8]. Assim, eles aguilhoam Febe ao abraço com o amado Endímion e a guiar as céleres bigas para baixo[9]. Ousaram também (admirável!) inflamar Netuno sob as desertas ondas, sulcando o mar em carro alado[10]. E até mesmo a Júpiter – insigne pelo cetro, armado na esquerda com o diadema e na direita vencedora com o raio tripartido – não temeram atacar e profanaram seu peito com veneno, que tome ele aspecto de touro, de cisne ou de ouro[11]. Esculpiram deuses a se lançar às fúrias e nas chamas, posto terem observado todo gênero de animais da terra, dos ares e dos mares acorrer a Vênus, e os homens, por causa disto, desencadear guerras e sanguinárias matanças. E inclusive com os corações debilitados pelos venenos dos Cupidos, percorrer bosques, florestas e sulcar com nado rápido mares bravios sob a noite enluarada. E mesmo o poeta trácio, inflamado por grande amor do cônjuge raptado, ousou investir as cavernas infernais[12]. E a alta estirpe de Netuno desceu às profundezas lúcidas de Dite para seguir o fiel Pirítoo nas sombras do Estige[13].

Mas, por que seguí em circunlóquios e comentários vãos? Em suma: nascida Vênus, segue-se-lhe logo Cupido, pois este deseja assenhorear-se da esperança, enquanto o amante espera fruir, esperança é o de que vive. A causa do bem deve ser resgatada da sombra para que em si mesma brilhe e, deixando marcas na alma maleável, nela se fixe e a ávida vontade seja subitamente aguilhoada (55). E aquelas coisas obscuras sejam conduzidas, porém, pela clara luz da mente e busque-se atingir a extrema meta do bem. Se aspiras a uma tentativa ingente, a primeira, suma e troante fonte do bem e com ingentes asas (as quais para ti, nem com a cera, nem com o fio que outrora Dédalo as aparelhou, mas as que fez com firme laço a fé nutriz, mãe do casto amor[14]), alça, férvido, os inflamados eixos e te darão renome a piedade  ardente, o amor e a caridade frequentemente celebrada com aplauso. Se mirares, tu, que contemplas do alto observatório da natureza, o espetáculo das coisas, tocado pelo estro celeste, dir-se-á teres sido conquistado pelo amor de uma etérea Vênus e elevado por asas a altas plagas, de modo a de lá contemplar com pura luz as fugidias formas e as degeneradas figuras das coisas. Se te atraem as honrarias e a púrpura dos reis, se tens a ambição de ouro, se a cega cupidez te espicaça, surge a cobiça; se és conquistado pela face amada e já pressentes que as pontas da flecha ateiam chamas aos ossos, tal é a chama de Vênus sensível, a ferida do menino alado foi enviada da áurea seta através do espaço. Pois, quando brilhar e for grata a discórdia concorde do rosto e dos membros, aprisionado o todo, esta logo se derramará sobre os olhos e se insinuará, rápida e tácita, nos recessos do coração afecto; e o atrai como ao aço as rochas da Magnésia[15]; e atraindo-o, incendeia-o e ateia-lhe ao peito uma chama alentada com prazerosos charmes e grata beleza. Mas em breve tempo aquela beleza se vai e a chama evanescente em fumos tênues se dispersa. E se desejas os comércios do leito fecundo, surge uma Vênus; desejo mesclado a dor, a doçura o assiste, mas logo o amargor sucede e inclusive a supera. Pois se aquele ardor do sêmen retido não incitasse, não surgiria a própria libido. E a partir daí, sofres, enquanto maltratas os dons plácidos da natureza.

Mas poupa: o próprio desejo não deixa de ser uma meta para a descendência. Pois se tens excessivo desejo de te divertir, surge a amargura e mil incômodos da vida. Evidentemente, a natureza, mãe para os mortais, fixou esta lei desde a primeva origem das coisas, e gravou-a em perpétua coluna de sólido aço[16]. De tal forma que, sempre, Vênus imoderada trará dores, inúmeros males e enfermidades e morte e antecipará os danos da arqueada velhice. Imagina, porém, acrescer para ti, com luxo lascivo, charmes, jogos, novos prazeres, mil blandícies. O que fica para ti? O que te resta? Em um momento, extingue-se o que quer que tiveres exaurido com esforço desejante em meia hora, e foge em voo célere. Nunca tão rápido partiu o [cavalo] vencedor de pés sonoros pela arena de pista arenosa da Élide, voltada para o bosque do célebre Hércules próximo do rio de Pisa, quão rápida se dissipa a alegre libido de Vênus[17]. Nem, perseguida, pode ela ser retida por arte alguma. Passa, tal como foge a rápida torrente do cume da montanha, mais violenta que o Euro e que o Bóreas da Cítia, tal como se te pusesses a apanhar água com a peneira, que tanto mais escorre quanto mais nela derramas. Assim também cantaram os vates sobre a progênie de Dânao junto ao rio Cocito, que, com a direita esgotada, verteu água em tonéis quebrados e sem fundo[18].

Mas quem pois terá sobrevivido ao fruto do amor que porta a aljava quando transpassou muitos dardos em peito desguarnecido, e transformou em cinza ossos e medulas com grande tocha, ao perecer Pérgamo em fogo argivo?[19] E prova disso é que muito fogo espalhou-se pelas cidades gregas e devastou até mesmo os penates líbicos. Por que eu relembraria Agamemnon degolado pela infame direita da esposa? E o exílio de Diomedes, prófugo em Arpos, para que não visse o matrimônio e a bela Calidônia? Por que relataria a menina morta, espedaçada pelas mãos dos furiosos com nímio arrebatamento nos campos da Beócia? Por que narraria Acteon dilacerado por obra dos jovens? Ah, Acteon que se exprimia por seus membros demasiado lacerados. Provas disso são as coisas cantadas por Estesícoro em seu Cálice[20]. Prova é aquela mesma que, recusando levar os seus às chamas, apagou a tocha idália nas ondas da Ambrácia[21]. E Drímaco, versado em tumultuar escravos, que sacrificou ao insano amor a jugular[22]. Exemplos são Ifis, Filis de Rodopéia, Dido e Tisbe da Babilônia que chegou a ir à estátua de Nino. E aquela que, ignara do teatro etéreo, e chamada pelo canto e induzida pelo furor nativo, levou outrora as plebes aos alvos rochedos feitos dos ossos de muitos. E a turba de Ulisses que sorve as tempestades de Circe e despojada de humanas faces, reveste o vulto de feras e por ordem da soberba senhora é acantonada em imundas pocilgas. Assim também, a cruel Górgona em pedras e em mármore converte os estupefatos amantes. Assim, os antigos cultores da sabedoria habituaram-se a consignar em tênue papiro os transformados aspectos. Quer os que dominaram as cidadelas de Palas governadas por Cécrops biforme, quer os que dominaram Crotona, o filho da terra de Esmirna precedeu-os ambos, dos quais nova fábula de formas mutantes emergiu. Daí, as faces em Teodoro, daí as faces em Calístenes, transformadas em outros modos e em faces de feras. Daí também as invenções celebradas do poeta de Peligno. E a invenção do poeta siciliano a quem os poemas representaram como peixe, como cepa crescida das raízes da terra e como pássaro vagante pelo inane espaço, por mais que (segundo cantou) tenha sido moço e moça. Daí no sofista sírio, a face humana transformada na de besta; em que logo enganado por um pyxis Lúcio se transformou, renovando as fábulas da antiga cidade de Croton. Assim também, as Tálides e o nascido de Panto[23] e altas coisas. E tu Hermótimo que foste enviado outrora a Samos, e tu doutíssimo Pirro, nascido na Ortígia instável, migraste do litoral de Faro conduzido por Tifis ao porto de Ausônia, tu a quem a Pítia com a voz de Febo predissera o destino de sacerdote e cujo nome desde então os antepassados transmitem.

Tu, se não misturas todas as coisas com insensatas ambiguidades, o que seria de ti? Queres outra coisa quando te envolves a alma em diversos corpos? O quê, pois? Senão extrair a força do veneno idálico pelo qual o fero Cupido exercitando em quem ama seus dardos impregnados transforma os miseráveis amantes. Portanto, ó Jovens, sus, afastai o furor imundo pelo qual do homem decaís em fera, pelo qual outrora ardeu Pérgamo em fogo, pelo qual o amante ateia chamas. Distanciai-vos em curso rápido do rochedo das sereias, dai velas e jamais busqueis aquela terra que se estende para além da enseada de Circe: nunca entreis no antro de Calipso e nunca, o território da medusa de Forco. Nunca vos acerqueis (se a mente não for cega) do porto de Éfiro. Fugi, e rapidamente, a terra de Síbaris. Também a vós, Jovens, predicarei entre todas as coisas uma. Se vos tange o respeito à castidade e o zelo pelo pudor, abandonai a falaz Babilônia, abandonai as seduções lascivas e o mel misturado ao veneno. E de fato, para cá, migraram monstros muito, muito nocivos e as truculentas Cilas e as Górgones e as Harpias pousaram em meio aos templos. E também aqueles monstros que reconheceram outrora Atlântida e Titã pai, que não esqueceram suas artes, e ainda as semiferas que transformaram até mesmo casas, até há pouco antros de cabras, em Babilônias e tetos de ouro. E as Aqueloides pousam sobre o templo sagrado, para cá vem tudo que é favo [Caerae] extraído da montanha siciliana. Para cá, para cá, tudo o que o monte Himeto de Cecrops produz. Venho como moly, que venha também a espada desembainhada de Ulisses, repelindo com esforço incansável cantos mágicos, para ridicularizar os vãos embustes dos sentidos sopitos, e, possante, espargir de gelo a flama Idália.

Se a natureza vos lançar seus fogos, e não houver fastio do tálamo e do laço conjugal, procurai os himeneus concedidos pela lei divina. Mas venha primeira a questão dos costumes, última a da forma, e procurai o dote que, no Lácio antigo ou na Hélade antiga, a noiva requisitada por milhares de pretendentes lhes preparava. Quem não seria cativado pelo amor de Euadne a ponto de  não lhe introduzir no dedo casto o ouro fulvo, antes que no da filha de Augusto, de gratíssima forma? Quem não preferiria antes, ó Protesilau, tua esposa, à filha de Leda, ainda que belíssima, e ainda que reclamada por mil navios em uma guerra de decênios? Ou quem não preferiria levar para casa, ao costume da antiga Sabina, uma arca não vil, recoberta e delicada, pertencente a uma mulher pura, junto com sua casta cônjuge?

De preferência, ó Cleópatra, a teus colares de pérolas, e a teus leitos famosos, plenos de gemas hidáspeas, ó tu cônjuge de Antônio, e última dos Reis do Egito, se levas contigo obscenos furores. Se quereis passar a vida em leito célibe, extingui continuamente os fogos com fontes castas e Vênus, submergi Vênus em mar glacial, por onde, sempre gélido, estende-se o  inverno boreal. Se os Amores em furor, turba de crianças aladas, esvoaçarem pela mente e olhos; se por uniões malignas quiserem instilar o insidioso veneno, cortai imediatamente com ferro duro suas penas ligeiras, tão logo a turba nociva com elas perturbar os ares. A férrea mente, submetida a culpa alguma de Vênus, ó Jovens, está presente como uma espada, pela qual se cortam as moles penas no ar; pelo qual o retesado nervo e as setas voadoras são partidas, extinguidas, as tochas ardentes e o facho ericínio, apagado em brisas puras. Então devem ser buscados países em diverso céu, em espaços de ar salubre, deve-se aguardar em outra região até que a face da mulher amada evanesça da memória. Nunca combatei as luzes com luzes, uma vez que o amor suave o qual alguém reputasse estar frio, frequentemente há pouco ardeu com rosto vistoso e atraiu chamas com forma sedutora, tantas quantas nem mesmo Tenedos viu sob a alta Tróia, nem os habitantes da alta Tibur assistiram quando Roma foi incendiada pelo sinistro Nero. Deve-se desviar a face e não substituir a palavra por brando sussurro: quem não seria conquistado pelos golpes iníquos, os quais Amatúsia enganadora dos sentidos leva à mente sempre vazia, e sempre desejante de charme? Pois convém evitar as redes dos amores lascivos, e para outro lugar desviar a mente e para outro lugar, os sentidos. Devem-se considerar os prazeres instáveis como vãos, fugidios e mistos de dor, qualquer que seja o lapso de tempo que nos é dado viver. Nenhuma volúpia é pura, nem será de socorro para o homem. Atormentada, agitada e plena de temor gemente, quão terrível se tornará a própria Vênus e Cupido com sua mãe, com que vãos simulacros enganará o amante!, que quanto mais tem sede, tanto mais ferve, e tanto mais seu coração arde em chamas vivas. Gênero infeliz de tormento que a turba de Aqueronte jamais contemplou. Tormento pelo qual é fama oriunda da sede infernal das duras irmãs que ele nunca puniu alguém. E o próprio Tântalo ardia de sede em meio às ondas, e nunca lhe foi dado trazer aos lábios as águas fugidias. Mas quando se imerge mais fundo no turbilhão, este abre em vasto abismo cavas gargantas e, absorvendo a água, tanto mais lhe aguça na áspera garganta ávidas sedes.

E não é verdade que a própria Vênus da fonte gélida bombeou as águas acidálias, mas as hauriu das cálidas de Flegonte, que sempre contêm fumos sombrios de chamas, incêndios, fogos. Nem vosso ânimo, nem vosso coração tenaz esquecerão a quantos mortais ruínas ingentes levou Cupido cego, exercendo seu cetro, e destruiu reinos ínclitos na mente humana. Diante dos olhos aparecerá a secura na face da amante, e então se substituirá ao viço salutar, ao levar consigo as rugas senis das velhas. Pois, certamente, não apenas as doenças, mas os incômodos da mísera vida redobram. E tal como cadáveres em decomposição, agora vês a rosa rubra misturada às brancas alfenas, que, por ornar, seduz os míseros amantes. De onde valer a pena lembrar da morte tremenda, que aniquila com foice terrível os gozos da vida. Assim, a frígida morte detém os cuidados palpitantes em tempo incerto, e certo em seu rapidíssimo curso.

Que então firam a alma no Tártaro as penas eternas, por meio das quais Vênus e os seguidores dos frutos amargos de Vênus são punidos. E que a afetem os gozos da palma eterna tornados venturosos por inúmeros bens. Que venham os exemplos dos varões os quais pela corda dos látegos, pela pedra e pela sempre dura cama domaram a imunda Vênus. E aquele de quem se diz que, lançando-se à neve, superou os calores de Vênus (que venha, pondo a nu as novas sementes da astúcia infernal e também aquele que, recusando os espinhos do cego amor, e outrora, no peito inane, recusando aqueles cuidados entrelaçados aos espinhos, presente da cruel Ericínia, lançou a si mesmo aos espinhos pontiagudos). E ocupem nossa mente aqueles que desprezaram o arco do falaz Cupido, enquanto colidem os corpos da nua terra e carregam o jejum do ventre ávido.

Como desejaria eu, jovens ajuizados, que sempre e sempre repelísseis, com o casto, o obsceno amor, tal como um prego é retirado por outro, e não vos relego às altas visões de Platão ou às imagens de Vênus etérea. Por isso, vai, quem quer que sejas, que te valha o amante do gênero humano, rebento eterno de pai eterno; e rebento belíssimo de Maria casta. Retribui-lhe o amor, contemplando os cabelos sujos de pó e aquela fronte coroada com pungentes espinhos, aquela que ao pender ilumina todo o Olimpo, aquela que ao pender fez estremecer o encadeado Orco. Contempla o corpo banhado em sangue purpúreo, o torso retorcido, os braços distendidos, as mãos trespassadas pelos cravos, e os pés; e contempla os rios múltiplos do cruor sagrado, em fluxos ondeantes. Por certo, o onipotente do universo – que tempera o mundo, as chamas da mãe Acidália e odeia seu filho – suportou estas coisas, para te arrebatar a ti das fauces do Orco, de modo que seguisses com ele os prêmios da palma eterna, os quais oferecerá o casto amor, que haverá de ser eternamente feliz, e que haverá de arder feliz como dádiva eterna.


Figura - Studi sull'Immagine nella Tradizione Classica, nº 1, 2013.

 


Notas à tradução

[1] Ao que pude verificar, a presente tradução é a única existente em uma língua moderna. Ela foi realizada em colaboração e sob a orientação do amigo e professor João Angelo Oliva Neto, a quem aqui, mais uma vez, agradeço. Duas foram as edições sobre as quais se baseou a presente tradução. A princeps, de 1513, a partir do exemplar conservado na Bibliothèque Nationale de France (Yc. 1438) e reproduzido em rede na Gallica (gallica.bnf.fr), tem por título: Illustrissimi ac doctissimi principis Jo. Francisci Pici Mirandulae domini,… De venere et cupidine expellendis carmen. Item ejusdem Laurentius et Geminianus hymni. A segunda, reproduzida no Googlebooks, foi editada por G. Bottari e T. Buonaventura e incluída na coletânea Carmina illustrium poetarum italorum, Tomus septimus, Florentiae, MDCCXX. Apud Joannem Cajetanum Tartinium et Santem Franchium, pp. 194-202 (Oxford Library, Googlebooks: archive.org). Seguimos, em geral, a princeps, mas adotamos por vezes, silenciosamente, a ortografia da edição Bottari-Buonaventura, que, de resto, se aparta em diversas passagens da princeps, nela intercalando versos suplementares ou alternativos, não levados em consideração em nossa tradução.

[2] Idalios ignes. Idálio (Idalion), na ilha de Chipre, era uma cidade fenício-grega célebre por um grande santuário consagrado a Afrodite Idália. Em Idália, Afrodite e Adonis eram venerados, pois ali fora ele morto pelo javali enviado por Ares. Destruída por um terremoto, Plínio já não mais a conhece. Como atributo ou sinônimo de Afrodite ou Vênus, Idália é um lugar-comum da poesia latina, vide Catulo, 36,12; 61, 17 e 64, 96 e Ovídio, Met. XIV, 694. Ou na poesia italiana dita fidenziana, i.e., de sátira do jargão latinista do século XVI, vide,por exemplo,Camillo Scroffa, Cantici di Fidenzio, XVII.

[3] Dionaeos. A descendência da deusa Dione, de cuja união com Zeus nasce Afrodite.

[4] Isaías, 11, 1-2: 1 Et egredietur virga de stirpe Iesse(…). A árvore genealógica de Jessé, pai de Davi, mostra a ascendência davídica da Virgem e de Jesus.

[5] Platão, Banquete, 203b.

[6] Afrodite Urânia como outra mãe (altera mater) de Eros, já que Pico acaba de se referir ao mito do nascimento de Eros da união de Poros (Abundância) e Penia (Penúria), reportado no Banquete de Platão.

[7] Assim como em Idálio, acima referida, também em Pafos no Chipre, no Egito e em Érice, cidade de acrópole na Sicília ocidental, Afrodite era cultuada em santuários importantes.

[8] Dafne, filha de Peneu, divindade fluvial da Tessália. Cf. Ovídio, Met, I, 452-566.

[9] Endímion, eternamente jovem e adormecido, foi amado por Febe, titânida pré-olímpica, por vezes intercambiável com Celene ou Ártemis.

[10] Refere-se ao amor de Poseidon por Anfitrite, cf. Odisseia, 391.

[11] “Zeus une-se a muitas mulheres, mortais e imortais”, escreve Pseudo-Apolodoro, Bibl., I,3,1, entre as quais recordem-se Alcmene, Elara, Niobe, Pluto, Antíope, Calisto, Dânae, Io, Europa, Leda e Egina. Júpiter metamorfoseia-se em touro para raptar Europa, em cisne para possuir Leda e em chuva de ouro para se unir a Dânae. As fábulas amorosas de Zeus não comparecem nas fontes mais antigas, Homero e Hesíodo, sendo tratadas pelos poetas trágicos no século V a.C., por Ovídio no século I e pelo Pseudo-Apolodoro, escrito por volta de 200. No que se refere à Leda, veja-se o Pseudo-Apolodoro, Bibl, III, 75. O mito de Dânae foi tratado em tragédias perdidas de Sófocles e de Eurípedes, por Ovídio, Met., IV, 611, Virgílio, Eneida, VII, 611, Plínio, H.N., III, 9, 56 e pelo Pseudo-Apolodoro, Bibl, II, 2. Nos séculos XV e XVI, os temas de Dânae, Europa e Leda foram retomados à saciedade e o de Leda tornou-se mesmo objeto da sátira de Rabelais.

[12] Orfeu, filho de Oeagro, rei da Trácia, amoroso de Eurídice, em busca de quem o poeta desce aos infernos.

[13] Teseu, considerado como filho de Netuno (e não de Egeu), consoante Plutarco, Vida de Teseu, VI: “Mas, para retornar a Teseu, sua mãe, Etra, ocultara-lhe quem era seu verdadeiro pai, e Piteu difundira o rumor de que Teseu fora engendrado por Netuno”. Teseu, grande amigo de Piritoo, segue-o em sua jornada ao Hades no fito de raptar Perséfones. Veja-se também Eneida, VI, 21-22.

[14] A menção a Ícaro é aqui o contrário do topos clássicoda recusatio, que consiste em declarar a própria insuficiência face a uma meta supervalorizada, de modo a justificar a adoção de outra, mais modesta e congenial. Pico vale-se deste lugar-comum retórico e literário exatamente no sentido oposto ao que lhe confere a abertura da Ode IV de Horácio, na qual o poeta condena ao triste fim do filho de Dédalo todo poeta latino que ouse emular Píndaro. Aqui, ele recusa a cera mole de Ícaro, a cultura clássica, em prol de algo mais sólido, a fé cristã.

[15] Em referência aos imãs ou magnetes, termo originário, consoante Lucrécio e Plínio, de Magnesia ad Sipylum (atual Turquia) ou de Magnésia na Tessália.

[16] Citação de Virgílio, Eneida, VI, Porta adversa, ingens, solidoque adamante columnae.

[17] A passagem é obscura e não é sobretudo claro nesse contexto o significado de “duodeno tramite”.

[18] Referência ao mito da punição das Danaidas no Tártaro, condenadas após matarem seus maridos a encher eternamente um recipiente furado. Erasmo a ela se refere em um de seus adágios (Adagia, 1.4.60): Cribro aquam hauris, “Apanhas água com uma peneira”.

[19] Referência ao incêndio que os gregos atearam em Troia.

[20] Estesicoro (640c. – 555c. a.C.) foi um poeta da Magna Grécia. Outrora atribuía-se-lhe um poema de amor intitulado Calyce, composto provavelmente por outro Estesicoro, do século IV a.C., mencionado nas inscrições do Marmor parium¸hoje conservado no Ashmolean Museum de Oxford.

[21] O promontório de Actium, à entrada do golfo de Ambrácia (hoje Amvrakikós Kólpos), no mar Jônio, onde Marco Antônio, acompanhado por Cleópatra, foi derrotado por Otávio (mais tarde César Augusto), em 31 a.C. na batalha de Actium. Durante a batalha, a esquadra egípcia, sob comando de Cleópatra, bate em retirada e Antônio a segue, abandonando seus comandados.

[22] Em referência à revolta dos escravos na ilha de Chios, liderada por Drímaco, segundo a narrativa do Deipnosofisti de Ateneu de Naucrates, que cita a respeito uma longa passagem do Périplo da Ásia de Ninfodoro de Siracusa, historiador de finais do século III a.C. Mas o sacrifício de Drímaco, que, quando velho, pede a um de seus mais próximos colaboradores que lhe corte a cabeça e receba a recompensa oferecida pelos senhores de Chios, não decorre de uma relação amorosa. Ver a tradução inglesa do texto de Ateneu de Naucrates em: www.attalus.org e G. Bonelli, “La saga di Drimaco nel sesto libro di Ateneo”, Quaderni Urbinati di Cultura Classica, 1994.

[23] Vide Euphorbe, em Ovídio 15, 161; Pitágoras: Hor. O. 1, 28, 10.


© 2013 FIGURA - Studi sull'Immagine nella Tradizione Classica